IMPERDÍVEL!

THE ORDER - CRÍTICA



The Order acompanha "o calouro de faculdade Jack Morton, que se junta a uma sociedade secreta lendária, The Order, onde ele é empurrado para um mundo de magia, monstros e intrigas. Quando Jack se aprofunda, ele descobre segredos obscuros de família e uma batalha subterrânea entre lobisomens e as artes mágicas das trevas.

 "The Order" é novidade na Netflix. Tendo seu lançamento no dia 7 de Março, a série fala sobre o jovem Jack Morton (Jake Manley) que é calouro na Universidade Belgrave. Sua única e exclusiva ambição é se juntar à uma irmandade secreta chamada Ordem da Rosa Azul, que ensina artes ocultas aos escolhidos por ela, e matar Edward Coventry (Max Martini), seu pai biológico que teria levado sua mãe ao suicídio. Após uma série de desafios de ferro, Jack é escolhido para ser um dos novos aspirantes da irmandade secreta, mas a Universidade Belgrave abriga mais segredos do que ele mesmo poderia imaginar.

 Ao se deparar com uma onda de homicídios dos campus que resulta em uma fuga na floresta de Belgrave, Jack acaba por ser escolhido como o hospedeiro de um guardião lobisomem, e entra para uma segunda irmandade, uma pequena alcateia composta por outros três guardiões-lobos, rivais das artes ocultas da Ordem da Rosa Azul.

 A história se torna mais sombria à medida que os segredos de Edward Coventry, o líder do coven da Ordem da Rosa Azul resultam em uma busca por um antigo grimório chamado Vade Mecum Infernal, e os lobisomens acabam por descobrir um impulso mais forte do que uma rivalidade entre irmandades: impedir a junção das páginas que compõem o grimório.

Assista ao trailer clicando aqui 

 A série criada por Dennis Heaton e Shelley Eriksen e produzida pela Netflix trata-se de um terror fantástico, ambientado nos arredores do campus Belgrave. Me lembrou, tanto o sistema de magia como a fotografia, séries como The Vampire Diaries e Chilling Adventures of Sabrina. Ela trás o miticismo do lobo e dos feiticeiros com um ar mais sombrio do que os retratados anteriormente, e é desenvolvido de forma única, ignorando os estereótipos de ambas as classes e os clichês utilizados anteriormente.


 É arriscado produzir uma série assim, principalmente devido às informações saturadas anteriormente por filmes e séries como The Twillight Saga, The Vampire Diaries e Teen Wolf. As imagens divulgadas da série e a própria produção inicial remete à uma típica história adolescente, levantando, novamente, os pontos já destacados.


 Apesar de se tratar, sim, de uma série voltada ao público jovem-adulto, The Order tem sacadas inteligentes e um desenvolvimento único, com muito drama, violência, palavras ofensivas e um decorrer até mesmo perturbador para quem é apegado aos valores religiosos.


 O desenvolvimento dos personagens principais é realizado com rapidez, incluindo com facilidade e calma o telespectador nos conflitos principais da série: a rivalidade entre lobisomens e feiticeiros e a caçada frenética de Edward Coventry ao Vade Mecum Infernal.


 Tudo na história leva a crer que a Univerdidade Belgrave esconde mais segredos do que nos foi revelado na primeira temporada, tendo em vista que todos os personagens principais - com exceção, é claro, do calouro Jack - vivem suas vidas normalmente, publicamente alheios às questões das irmandades e de seus trabalhos... digamos que, extracurriculares. Nos faz pensar se no futuro (caso haja uma segunda temporada, o que ainda não foi confirmado até o momento) os produtores pensam em revelar mais segredos ou, de repente, uma terceira irmandade secreta (tudo é possível).


 Uma coisa que me deixou um pouco desapontado é que a série começa com estudantes normais, e de repente todo mundo é parte de algo secreto, e os personagens terciários são literalmente descartados. Não se ouve falar dos estudantes normais, muito menos de boatos a respeito de tanta destruição que aconteceu nos arredores do campus. Devemos considerar, é claro, que por ter um número limitado de episódios por temporada (o que parece ser um padrão da Netflix), não havia tempo para mostrar coisas do tipo, o que me leva a pensar: se não focaram nos estudantes comuns, que tipo de surpresa podemos esperar para uma, talvez, próxima temporada?


 É claro que, para quem chegou até o fim da temporada, teorias é o que não vai faltar: "o que vai acontecer agora?", "Será que ela vai fazer isso?", "Como será dado o andamento da trama se isso aconteceu?". Perguntas, perguntas e mais perguntas.


 Que serão respondidas caso haja uma segunda temporada.


 No geral, a série me deixou muito satisfeito por sair um pouco da bolha da mesmice e nos mostrar coisas mais sombrias. Os diálogos são diretos, nada de encheção de linguiça para estender o tempo do episódio; os figurinos (especialmente os da Ordem da Rosa Azul) são espetaculares - apesar de pouco utilizados -, e eu acredito que isso deveria ser explorado mais, no caso de uma segunda temporada.


 Como nem tudo são rosas (segura o trocadilho), os efeitos especiais deram um pouco a desejar, principalmente no que diz respeito aos lobisomens. Alguém pode me explicar o que foi aquela cena da escadaria do ultimo episódio? Desculpa, mas foi vergonhosa. De resto, eu diria que foi razoável (não dá pra investir tanto assim em uma série arriscada como essa).


 Recomendo essa série, principalmente aos fãs de Chilling Adventures of Sabrina, The Vampire Diaries, Teen Wolf e sei lá mais o que nessa pegada, principalmente porque esse é o público-alvo. Infelizmente (e eu digo isso por que eu realmente gostei) essa série não irá agradar a todos os públicos, mas se você insistir um pouco, acredito que não vá se decepcionar!


 The Order está disponível no catálogo da Netflix.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.